Política de Extensão da FISMA

POLÍTICAS DE EXTENSÃO

A Política de Extensão da FISMA para o período de 2014-2018 é um instrumento sinalizador de propósitos que a Instituição torna público. Destina-se a orientar seus recursos humanos na previsão, execução e avaliação de ações voltadas à formação de um profissional cidadão e ao atendimento de demandas da sociedade.

Com o intuito de consolidar a política de extensão, foi criado o Programa de Iniciação em Extensão aprovado pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. Sua concepção orienta-se pelos critérios legais da indissociabilidade das áreas do ensino, pesquisa e extensão, que objetiva proporcionar à sociedade brasileira aportes de conhecimentos destinados a superar os entraves de seu desenvolvimento. Do mesmo modo, em uma mão dupla que se estabelece, recebe da sociedade contribuições de suas vivências cotidianas e experiências acumuladas historicamente por seus membros, as quais devem ser agregadas às atividades do ensino e aos programas de pesquisa.

Considera como mérito todos os esforços da comunidade acadêmica para estender saberes e realizar uma efetiva interação com a comunidade, priorizando ações voltadas à melhoria das condições de vida e bem-estar da população. Nesse sentido, como parte de uma realidade maior que é a meta de reconhecimento público das IES plurais, democráticas e de qualidade, a área de extensão é o canal institucional de diálogo com a sociedade, de retroalimentação dos programas de pesquisa e de oportunidade para colocar a Instituição frente às realidades sociais. Por isso, necessita ter muito claro esse papel, devendo sua política de ação atender objetivamente aos reais interesses da sociedade.

Deste modo, orientados substantivamente por tal política, aos atores institucionais cabe estabelecer as tarefas de planejamento, de registro, de inserção e de avaliação, que em última análise cumprirão a missão da Instituição. No resultado destas tarefas, a “extensão universitária”, entendida como um processo educativo, cultural e científico que articula o Ensino e a Pesquisa, de maneira indissociável, deve viabilizar a relação transformadora entre as IES e a sociedade.

É neste contexto social que a FISMA, contando com o suporte dos conceitos, princípios e diretrizes da extensão universitária brasileira, se propõe a formular e executar suas ações de extensão.

Essa nova perspectiva pauta-se em encontrar soluções, por meio da pesquisa básica e aplicada, ligada às estratégias de ensino, voltadas a realimentar o processo de ensino-aprendizagem considerando-se a realidade concreta do cotidiano social.

A FISMA busca por meio de suas ações de extensão atingir os seguintes objetivos:

· Apoiar os movimentos sociais que atuam no encaminhamento da solução de demandas da sociedade local e regional;

· aprofundar o relacionamento institucional entre a FISMA e as comunidades atingidas pelas ações de pesquisa /extensão;

· fomentar novas iniciativas de pesquisa e extensão, mediante a realização de ações, por meio dos programas, projetos, cursos, eventos, prestação de serviços, publicações e outros produtos acadêmicos;

· concentrar, prioritariamente, esforços de trabalho para o atendimento das demandas relativas ao desenvolvimento social da área de abrangência da FISMA;

· fomentar a captação de recursos externos, via projetos de extensão e de prestação de serviços, visando à ampliação da estrutura laboratorial disponível na Instituição e qualificar o ensino de graduação e de pós-graduação;

· identificar oportunidades para encaminhamento de projetos institucionais;

· planificar e auxiliar as equipes executoras dos respectivos projetos, na qualificação e adequação dos projetos aos objetivos dos editais ou diretrizes dos organismos fomentadores;

· registrar e acompanhar o andamento dos projetos submetidos junto aos organismos fomentadores;

· fomentar a instituição de grupos de extensão e a sua interação com grupos consolidados e em outras Instituições de Ensino, Centros de Pesquisa nacionais e Internacionais;

· fomentar e apoiar iniciativas à promoção de eventos científicos, extensionistas, educacionais, culturais e de integração acadêmica;

· aprimorar mecanismos de interação entre os programas de esquisa/extensão/ prestação de serviços da FISMA, com setores produtivos empresariais e com o setor público para transferência e aplicabilidade dos conhecimentos acumulados ou gerados na Instituição;